Cristo Redentor celebra 10 anos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

* Por Nice Affonso ( com informações do ICMBio)

Nos dias 27 e 28 de agosto – domingo e segunda, o Monumento ao Cristo Redentor recebeu iluminação especial na cor verde, em comemoração aos 10 anos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O Instituto, há uma década, se dedica a cuidar do patrimônio ambiental e a promover o desenvolvimento socioambiental de todo o território brasileiro.

— Temos o privilégio de o monumento ao Cristo Redentor estar no alto do Corcovado, cercado pela natureza exuberante da floresta, no Parque Nacional da Tijuca, que é uma das unidades de conservação do ICMBio. Celebrar, com esta iluminação especial do Monumento, os 10 anos desse Instituto é uma forma de agradecer por todo o trabalho de conservação ali realizado e, ao mesmo tempo, um modo de conscientizar a toda a população sobre a importância de usos conscientes e sustentáveis da natureza, destaca o reitor do Santuário Cristo Redentor, Padre Omar Raposo.

Para o presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, nesses 10 anos o órgão tem muito o que comemorar:

— Temos a missão de cuidar da biodiversidade, e esse patrimônio natural nos impõe uma missão gigantesca, considerando o tamanho do país, com a megabiodiversidade e com a diversidade sociocultural das regiões, ressaltou.

Sobre o ICMBio

O órgão é responsável por cuidar de 324 unidades de conservação, entre elas parques e florestas nacionais, áreas de proteção ambiental, reservas extrativistas, entre outras categorias, que correspondem a 80 milhões de hectares. Um total de 9% do território nacional. Somam-se ainda os 516.787,75 hectares das 666 Reservas Particulares do Patrimônio Natural – áreas naturais criadas a partir da iniciativa dos donos de terra. Estas áreas representam, na prática, a participação da sociedade no esforço nacional de conservação da natureza.

Além da defesa do patrimônio ambiental, o ICMBio se preocupa em oferecer à sociedade, melhores oportunidades de se viver em comunidade. As unidades de conservação de uso sustentável, por exemplo, beneficiam 60 mil famílias que retiram seu sustento das reservas extrativistas, florestas nacionais ou Reserva de Desenvolvimento Sustentável.

* Foto: J. Lucena